sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Um fora de série – uma homenagem ao Comandante Abel de Oliveira

O Com. Abel de Oliveira, na impossibilidade de se dirigir a cada um de nós, telefonou-me a manifestar o seu agradecimento ao curso "Oliveira e Carmo" por ter sido aqui referido, no passado dia 30, um episódio em que ele foi interveniente, na sequência da invasão do Estado Português da Índia em Dezembro de 1961.
A todos envia um forte abraço e votos de um bom ano novo, que estende a todos os familiares.

O saque!


Não sei por que carga de água achei esta imagem interessante ... porque será???

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Em Busca da Europa Perdida

Recomendo a Leitura do artigo com o título em epígrafe, da autoria do Professor João Caraça, no Público de hoje, a páginas 46 e 47.
E mais não digo.

Nota do Curso OC: quem estiver interessado em ler o artigo acima mencionado pode seguir esta ligação.

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

2014 está a chegar!


Como vem sendo hábito, este Novo Ano que se aproxima não parece trazer com ele grandes euforias e esperança de dias melhores ... no entanto tal não obriga a pessimismos exagerados. 
A todos os OCeanos e a todos os nossos colaboradores e visitantes desejo um 2014 que seja o melhor possível e que decorra sempre com saúde e com força suficiente para ultrapassar as dificuldades que nos apareçam à esquina.

BOAS SAÍDAS E MELHORES ENTRADAS!

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Um fora de série – uma homenagem ao Comandante Abel de Oliveira

A RTP2 tem estado a emitir um documentário repartido por quatro episódios intitulado “Surrender”, que trata da invasão do Estado da Índia e que foi realizado por Fernanda Paraíso. Trata-se de um filme com uma abordagem inovadora da dolorosa experiência da perda de Goa, Damão e Diu ocorrida nos dias 18 e 19 de Dezembro de 1961, que foi construído através de algumas imagens inéditas e do depoimento de soldados, sargentos e oficiais que participaram nos acontecimentos e que raramente têm sido entrevistados.
O primeiro episódio foi transmitido no dia 14 de Dezembro e tratou do ataque a Diu, evocando de forma especial o combate naval em que perdeu a vida o Comandante Oliveira e Carmo, através do depoimento de alguns dos membros da guarnição do N.R.P. Vega, que sobreviveram ao combate.

(Velha Goa e o Farol da Aguada)

O terceiro episódio foi transmitido no dia 28 de Dezembro e aborda o ataque a Goa. De entre as diversas situações relatadas destaca-se o combate do N.R.P. Afonso de Albuquerque e o corajoso comportamento do Comandante Aragão, o ataque à Estação Radionaval de Goa e, sobretudo, as referências que são feitas ao Comandante Abel de Oliveira, que então desempenhava o cargo de Capitão dos Portos da Índia Portuguesa. É realmente emocionante ouvir, mais de cinquenta anos depois, as declarações altamente gratas e elogiosas que alguns dos entrevistados fazem ao Comandante Abel de Oliveira e ao seu companheirismo solidário. Naquelas difíceis circunstâncias, ele foi “um grande homem”, disse o ex-marinheiro Artilheiro Mário Ferreira, e foi também “um fora de série”, disse o ex-grumete de abastecimento Arménio Pereira.
Através do “Água aberta ... no OCeano“ o Curso “Oliveira e Carmo” associa-se à homenagem que o filme presta ao seu patrono e regozija-se pelos justos elogios feitos ao Comandante Abel de Oliveira, que todos admiramos e que foi nosso Comandante de Companhia na Escola Naval.


Nota: a foto do Comandante Abel de Oliveira foi retirada do blogue "Curso Miguel Corte Real".

domingo, 29 de dezembro de 2013

O Senhor dos Mares - o exemplo do Comandante Saturnino Monteiro


O caderno Actual da edição do semanário Expresso do dia 28 de Dezembro, inclui uma extensa reportagem-entrevista com o Comandante Saturnino Monteiro, a quem o jornalista chamou “O Senhor dos Mares”. Nessa reportagem são salientadas as suas qualidades intelectuais e o seu importantíssimo trabalho de preparação e publicação dos oito volumes das “Batalhas e Combates da Marinha Portuguesa”, uma obra de referência da nossa história naval.
A entrevista só veio confirmar o que nós conhecíamos e apreciávamos no Comandante Saturnino Monteiro e permite-nos compreender a tenacidade intelectual, o rigor histórico, a capacidade de divulgação e o profundo conhecimento náutico deste oficial da Armada, que são características indispensáveis para ter levado a bom porto o seu projecto de investigação. Porém, verificando que a versão portuguesa da sua monumental obra não facilitava a sua difusão internacional, à sua custa, procedeu à tradução para inglês dos oito volumes a fim de que o mundo pudesse conhecer melhor o papel dos portugueses na expansão marítima, que tantas vezes é ignorado no estrangeiro. É um caso notável de dedicação à Marinha e de desinteresse material, em tempos de um obsessivo mercantilismo. Mas o Comandante Saturnino Monteiro não se ficou por aí e, ainda à sua custa, tem enviado dezenas de colecções dos seus livros para bibliotecas, universidades e outros institutos espalhados pelo mundo.
Através do “Água aberta ... no OCeano“ o Curso “Oliveira e Carmo” congratula-se com a homenagem que o Expresso presta ao nosso antigo e primeiro Comandante de Companhia na Escola Naval.
A reportagem-entrevista pode ser lida aqui.