terça-feira, 31 de dezembro de 2013

2014 está a chegar!


Como vem sendo hábito, este Novo Ano que se aproxima não parece trazer com ele grandes euforias e esperança de dias melhores ... no entanto tal não obriga a pessimismos exagerados. 
A todos os OCeanos e a todos os nossos colaboradores e visitantes desejo um 2014 que seja o melhor possível e que decorra sempre com saúde e com força suficiente para ultrapassar as dificuldades que nos apareçam à esquina.

BOAS SAÍDAS E MELHORES ENTRADAS!

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Um fora de série – uma homenagem ao Comandante Abel de Oliveira

A RTP2 tem estado a emitir um documentário repartido por quatro episódios intitulado “Surrender”, que trata da invasão do Estado da Índia e que foi realizado por Fernanda Paraíso. Trata-se de um filme com uma abordagem inovadora da dolorosa experiência da perda de Goa, Damão e Diu ocorrida nos dias 18 e 19 de Dezembro de 1961, que foi construído através de algumas imagens inéditas e do depoimento de soldados, sargentos e oficiais que participaram nos acontecimentos e que raramente têm sido entrevistados.
O primeiro episódio foi transmitido no dia 14 de Dezembro e tratou do ataque a Diu, evocando de forma especial o combate naval em que perdeu a vida o Comandante Oliveira e Carmo, através do depoimento de alguns dos membros da guarnição do N.R.P. Vega, que sobreviveram ao combate.

(Velha Goa e o Farol da Aguada)

O terceiro episódio foi transmitido no dia 28 de Dezembro e aborda o ataque a Goa. De entre as diversas situações relatadas destaca-se o combate do N.R.P. Afonso de Albuquerque e o corajoso comportamento do Comandante Aragão, o ataque à Estação Radionaval de Goa e, sobretudo, as referências que são feitas ao Comandante Abel de Oliveira, que então desempenhava o cargo de Capitão dos Portos da Índia Portuguesa. É realmente emocionante ouvir, mais de cinquenta anos depois, as declarações altamente gratas e elogiosas que alguns dos entrevistados fazem ao Comandante Abel de Oliveira e ao seu companheirismo solidário. Naquelas difíceis circunstâncias, ele foi “um grande homem”, disse o ex-marinheiro Artilheiro Mário Ferreira, e foi também “um fora de série”, disse o ex-grumete de abastecimento Arménio Pereira.
Através do “Água aberta ... no OCeano“ o Curso “Oliveira e Carmo” associa-se à homenagem que o filme presta ao seu patrono e regozija-se pelos justos elogios feitos ao Comandante Abel de Oliveira, que todos admiramos e que foi nosso Comandante de Companhia na Escola Naval.


Nota: a foto do Comandante Abel de Oliveira foi retirada do blogue "Curso Miguel Corte Real".

domingo, 29 de dezembro de 2013

O Senhor dos Mares - o exemplo do Comandante Saturnino Monteiro


O caderno Actual da edição do semanário Expresso do dia 28 de Dezembro, inclui uma extensa reportagem-entrevista com o Comandante Saturnino Monteiro, a quem o jornalista chamou “O Senhor dos Mares”. Nessa reportagem são salientadas as suas qualidades intelectuais e o seu importantíssimo trabalho de preparação e publicação dos oito volumes das “Batalhas e Combates da Marinha Portuguesa”, uma obra de referência da nossa história naval.
A entrevista só veio confirmar o que nós conhecíamos e apreciávamos no Comandante Saturnino Monteiro e permite-nos compreender a tenacidade intelectual, o rigor histórico, a capacidade de divulgação e o profundo conhecimento náutico deste oficial da Armada, que são características indispensáveis para ter levado a bom porto o seu projecto de investigação. Porém, verificando que a versão portuguesa da sua monumental obra não facilitava a sua difusão internacional, à sua custa, procedeu à tradução para inglês dos oito volumes a fim de que o mundo pudesse conhecer melhor o papel dos portugueses na expansão marítima, que tantas vezes é ignorado no estrangeiro. É um caso notável de dedicação à Marinha e de desinteresse material, em tempos de um obsessivo mercantilismo. Mas o Comandante Saturnino Monteiro não se ficou por aí e, ainda à sua custa, tem enviado dezenas de colecções dos seus livros para bibliotecas, universidades e outros institutos espalhados pelo mundo.
Através do “Água aberta ... no OCeano“ o Curso “Oliveira e Carmo” congratula-se com a homenagem que o Expresso presta ao nosso antigo e primeiro Comandante de Companhia na Escola Naval.
A reportagem-entrevista pode ser lida aqui.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

O meu livro do (Per)Curso!


domingo, 22 de dezembro de 2013

Natal 2013


Aqui vai, a preto e branco que os tempos que correm não são para grandes coloridos ... que cada um o pinte com as cores que julgue mais adequadas e que, sobretudo, passe um Natal cheio de saúde e alegria na companhia da sua família e amigos. Abraços Natalícios!

sábado, 21 de dezembro de 2013

Solstício de Inverno


Para assinalar a passagem, hoje, do solstício. Chama-se Red storm passing over  do atrista inglês Mark Wilson.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Figueira da Foz 2

Fiquei verdadeiramente estarrecido com a notícia de que tinha havido ontem uma cerimónia de baptismo do patrulha Figueira da Foz , no Alfeite e com a presença da Secretária de Estado.
Então o navio foi entregue, armado, aumentado ao efectivo e navegou sem nome? A portaria que o aumentou ao efectivo não tinha o nome, indicativo de chamada, etc.? Claro que tinha. Em todo o mundo o baptismo é no momento do lançamento à água ou quando é posto a flutuar. Agora aqui é depois. É como aqueles pais que só baptisam os filhos aos seis meses por não saberem que nome lhe dar. Mas há mais. O navio teve uma madrinha, a sra D. Berta, personalidade de reconhecido valor e amor às Forças Armadas. Quem a convidou? Ou quem a mandou convidar?
Uma tristeza.

sábado, 14 de dezembro de 2013

O "novo" arco

O renovado arco da Rua Augusta apresenta agora um pormenor marítimo que não existia antes. Na face Norte aparece agora um par de cabeços de amarração e um cabo unindo os dois. Estaria isto no projecto inicial? Tinha sido retirado? Quem sabe?

ESTÓRIAS OCEÂNICAS - 13

Creio que esta foi passada após a nossa viagem de instrução em 1965.
Era uma camarata de Oceanos, chefiada pelo Sota-Penico. Desde o principio do ano que todas as semanas o chefe da camarata punha em curto-circuito a lâmpada de silêncio. Assim quando se acendiam as luzes de silêncio, na tal camarata havia o curto-circuito e a lâmpada não acendia para conforto dos Oceanos. O Cabo eletricista lá reparava a avaria e pouco tempo depois outro curto-circuito. O tempo foi passando sem incidentes. Após a viagem houve uma mudança de pessoal e ingressou nesta camarata um outro Oceano. O chefe da camarata lá fez a marosca com a luz de silêncio. No dia seguinte o Cabo E saturado de tanta "avaria" resolveu participar do facto. O Chefe da Camarata "foi para o livro" e o Cte. da Companhia aplicou-lhe a respectiva punição. O novo membro da camarata não se livrou de ser o responsável pelo azar provocado no chefe da camarata.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013


Aventuras e desventuras das minhas idas ao Hospital das Forças Armadas

A minha relação com os hospitais tem sido frequente e pouco satisfatória nos últimos tempos. Eu, que nunca tinha utilizado um livro de reclamações, começo a habituar-me a fazê-lo e a constatar a dificuldade que em muitos locais existe em que ele apareça. As desculpas são variadas, mas, evidentemente, todas apontam para a desmobilização do reclamante.
Numa das minhas últimas visitas ao HFA's pedi o livro de reclamações. Mandaram-me para o Gabinete do utente onde fui gentilmente recebido por uma senhora, mas quanto ao livro de reclamações, nada feito pois a senhora que o tinha em seu poder se tinha ausentado, o seu gabinete estava fechado e não se sabia quando regressaria. Como não tinha tempo nem paciência para esperar perguntei se poderia fazer a reclamação pela internet e a senhora informou-me que tinha essa possibilidade.
Quando cheguei a casa fiz uma busca no Google e apareceram-me vários links para o Hospital Militar da Forças Armadas. Depois de várias tentativas para encontrar um sítio onde reclamar encontrei um em que o podia fazer e escrevi o seguinte mail:

Ex.mo Senhor

Diretor do Hospital da Forças Armadas

Nos últimos meses os achaques do inverno e da idade obrigaram-me a ter de recorrer aos serviços hospitalares, nomeadamente ao Hospital das Forças Armadas onde encontrei alguns aspectos que me merecem reparo e, como não me foi possível ter acesso oportuno ao livro de reclamações,  venho fazê-lo por este meio.

Tenho sentido muita dificuldade em marcar, telefónica ou presencialmente, consultas já que muitas vezes tenho recebido a informação de que as inscrições não estão abertas e que não se sabe quando é que voltam a abrir. Ainda hoje, 9 de Dezembro, quando tentei marcar consultas para  Oftalmologia, Neurocirurgia e Pneumologia para que tinha sido encaminhado, fui informado que as inscrições estavam fechadas e que eu fosse tentando marcar. Para quem esta a sofrer problemas de saúde que precisa de resolver com alguma celeridade é francamente frustrante.

A primeira vez (há cerca de dois meses) que me desloquei ao HFA para a consulta de Neurologia fui obrigado a esperar cerca de meia-hora, de pé e em várias filas. Primeiro, em duas frente a duas máquinas que avariaram uma a seguir à outra e, depois, numa outra junto da porta de um Gabinete onde finalmente uma funcionária me acabou por entregar uma senha. Situação menos grave mas identicamente incómoda e demorada aconteceu no dia 4 e hoje dia 8 de Dezembro em que fui novamente à consulta de Neurologia.

Para um indivíduo que, como eu, tem atualmente sérias dificuldades em estar parado em pé, a obtenção de uma senha para consulta é quase uma tortura que ao fim de uns minutos se torna dificilmente suportável. Sugiro o estudo de uma alternativa para estes casos, tanto mais que observei que havia outros utentes que não se encontravam confortáveis nas filas em frente das máquinas, ou, então, colocar à entrada alguns banquinhos que os utentes possam recolher ou aconselhar a trazê-los para que se possam ir sentando enquanto a fila se move.

No passado dia 4 de Dezembro desloquei-me ao HFA com o objectivo de ser observado nas consultas de Estomatologia (1000) e Ortopedia (1330). A consulta da manhã decorreu sem problema.

Cerca das 1300 dirigi-me para o HFA e sentei-me na sala de espera que uma funcionária me indicou. Às 1430, como o atraso me parecesse exagerado dirigi-me ao guiché da respetiva consulta onde fui informado que o médico ainda não tinha chegado, que não sabia quando chegaria, não tinha solução para o meu problema pelo que teria de marcar nova consulta. Face a essa situação e porque tinha compromissos tive que me retirar. Desisti de marcar nova consulta porque as filas em frente das máquinas eram na altura enormes. Antes de me retirar pretendi ainda dar conta desta situação pedindo o livro de reclamações, No gabinete onde segundo a informação que me prestaram deveria estar o livro de reclamações fui informado por uma funcionária que não estava disponível pois a pessoa que o tinha não estava no respetivo gabinete (que se encontrava fechado) e também não se sabia por onde andava e quando regressaria.


Com os melhores cumprimentos

Alcindo Manuel Pacheco Ferreira da Silva
CMG Ref

No dia seguinte de manhã ao abrir o correio tinha a seguinte resposta:

"Miriam Souza Peres (miperes@hfa.mil.br)
10-12-2013
Para: Alcindo Ferreira da Silva

Prezado Sr. Comandante Alcino, receamos que a vossa reclamação recebida na ouvidoria do hospital das forças armadas de brasília, foi encaminhada errôneamente, pois nestes dias aos quais o Sr. se refere não houve movimento de marcação de consultas aqui, pedimos por gentileza que o Sr. verifique e confirme o encaminhamento."

Ainda não parei de rir e de ser gozado por toda a gente, incluindo as minhas netas. Mas também ainda não encontrei forma de fazer chegar ao Hospital das Forças Armadas Portuguesas a minha reclamação. Possivelmente terei de esperar pela próxima vez em que conseguir marcar uma consulta para o fazer, se, nesse dia, a senhora que tem o livro de reclamações estiver no seu gabinete.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Mandela (1918 - 2013)


Portugal também está de luto. Uma figura exemplar que desaparece e deixa o mundo mais pobre ... que descanse em paz!

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

O porta-aviões

Ainda mal refeito da notícia relativa aos "drones" da Amazon (que mostra quão perto de nós está o futuro, ficcional ou não) eis que sou surpreendido por outra, talvez mais retumbante. Então não é que Angola vai comprar o porta-aviões espanhol "Príncipe das Astúrias"? E parece que o navio não vai sózinho, será acompanhado de, pelo menos, quatro patrulhas.


Para ler um artigo que informa tal facto podem seguir esta ligação. E para ler um comentário que questiona a razão pela qual uma marinha tão pequena como a angolana pretende operar um navio tão grande como o "Príncipe das Astúrias" podem seguir esta outra.

Novo CEMA

O nome do novo Chefe de Estado-Maior da Armada já é conhecido, estando a decorrer os trâmites da sua nomeação. Trata-se do Alm. Macieira Fragoso, oficial bem conhecido com uma carreira de muito mérito. Temos que lhe desejar felicidades e sorte para esta sua comissão de serviço que se prevê muito difícil. Contra ventos e marés, com um clima hostil e um ministro hostil, incompetente e mal criado terá que levar o navio a bom porto.
Consta que esta não era a escolha do ministro, o que o deve ter deixado bravo e com mais vontade ainda para mudar os estatutos de modo a que as nomeações de C.E.M. sejam só da sua competência. Como lá no partido.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Ficção? Talvez não ...


Parece que a Amazon vai passar a entregar as suas encomendas usando "drones". Pensei que fosse brincadeira mas este artigo da TSF indica o contrário ... o sistema estará operacional dentro de cinco anos. O presidente da Amazon explica que " ... o drone, que funciona como um inseto gigante com um cesto preso às "patas", recebe a ordem por via eletrónica, vai ao armazém buscar a encomenda, e levanta voo para o destino indicado por GPS."
 O futuro está à esquina e esta é uma maneira bem mais pacífica de usar estes engenhos do que a actual.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Figueira da Foz

Assinala-se aqui a entrega e o aumento ao efectivo do N.R.P. Figueira da Foz, eventualmente o navio que mais tempo levou a construir no mundo. Pelo menos no século XXI. Cerimónia discreta e ignorada pela classe política e jornais. Nos países normais seria motivo de festa, aqui é uma condenação.

sábado, 30 de novembro de 2013

O Professor

Num jantar de antigos alunos do Colégio Militar onde foi homenageado o professor Adriano Moreira por ter participado na campanha em defesa do colégio, explicou ele, no agradecimento, que sendo assediado por jornalistas que queriam saber a razão da sua atitude, sobretudo não sendo antigo aluno, respondeu: A democracia é feita de pessoas e instituições. A aposta na educação e na ciência são uma prioridade estratégica para o futuro do país onde o culto dos valores deve estar acima do catecismo dos mercados. Disse.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Por este caminho...

Ontem foi o Thanksgiving nos Estados Unidos, o feriado mais importante das famílias e que marca o início da época de compras mais louca do país. É no chamado Black Friday que os armazéns são tomados de assalto para comprar tudo a preços de saldo. Pois este ano as grandes cadeias resolveram antecipar a abertura para quinta-feira ás 8p.m. As multidões apresentaram-se nas lojas, abandonando o peru fumegante sobre a mesa e mandando a reunião familiar às urtigas. Em nome da competitividade.
Podem escrever. Vai cá chegar. Lojas a abrir com saldos no dia de Natal e com o governo a aplaudir.

domingo, 24 de novembro de 2013

O Homem

Com pompa e circunstância e grande cobertura mediática, a Brigada do Alzheimer avançou. Rodeado pela habitual corte de sabujos e parasitas, o Homem presidiu. O Homem está xéxé e, como tal, disse disparates, proferiu ameaças, lançou invectivas. Não seria importante se o Homem não tivesse sido um dos mais importantes políticos dos últimos cinquenta anos, se não tivesse ocupado os mais altos cargos, estando o País devedor pelo seu, no passado, grande empenhamento posto na luta pela democracia e pela liberdade.
É uma pena que algumas pessoas não saibam envelhecer com dignidade!

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Curiosidades

No Diário da República, 2ª Série, n.º 227, de hoje, foi publicada a Listagem n.º 53/2013, com a relação de subsídios atribuídos a particulares, pelo Programa Operacional Potencial Humano, no 1º Semestre de 2013, num total de 365.891.293,71 €

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Eurico Botelho Nunes

Vi hoje noticiado o falecimento do CMG Eurico Botelho Nunes. Fui à Lista de 2008 e nâo o encontrei.
Alguem sabe dizer quem era?

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

ESTÓRIAS OCEANICAS - 12

Já abordado no nosso Livro do (Per)curso, vou adiantar algo mais sobre a nossa chegada a New Bedford. Esta cidade, na altura com a maior Comunidade Portuguesa, foi a última visita aos "States".
Publicava-se na nossa língua um jornal diário de nome "Diário de Notícias". Estavam milhares de Famílias Emigrantes no cais para saudar a Sagres; havia também uma banda de música só composta por Cabo-Verdianos que tocava a "PORTUGUESA", mas em ritmo das marchas americanas.
A Barca fazia-se ao cais, aproada a este e na sua parte final só com máquina. O Imediato informava "cais a 50 metros", o Comandante respondia pelo ETO: "Recebido". E a Barca a aproximar-se, e o Imediato a informar sucessivamente: o lais do Gurupés a 20 metros do cais, o lais do gurupés a 10 metros, o lais do gurupés sobre o cais, sempre com o navio em boa marcha. O Comandante dá ordem para a máquina "a ré toda a força" mas a corrente do telégrafo salta e a ordem não chega à máquina. É então que o Penico da Máquina ( creio eu) que estava no Tombadilho corre até à porta da casa da máquina e grita a ordem do Comandante, mas era já tarde demais. A banda de música fugiu, largando os seus instrumentos mais pesados, o Imediato na sua habitual calma informa: "o navio entrou pelo cais"; o Comandante mantendo a sua compostura responde "Recebido, o sr. Imediato pode passar a rejeira de vante". E assim atracou a Sagres em New Bedford deixando uma marca no cais que era revestido a madeira. Em seguida ouvimos muitas exclamações dos nossos emigrantes dando vivas a Portugal e à Sagres.


quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Blogue interessante

O blogue das antigas alunas de Odivelas está muito bem feito e merece uma visita. Está em luta contra a Berta, Alguidar e Passos. É o seguinte: www.blogdoio.blogspot.pt .
Faço votos para que o mosteiro de Odivelas não venha a ser convertido em escola de hotelaria.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

O Curso "OC" na revista da Armada


Na sua edição de Novembro, a RA refere a cerimónia de encerramento das comemorações do cinquentenário da nossa entrada para a Escola Naval, referência que agradecemos. Quem quiser ler o apontamento, publicado na página 29 da revista, pode seguir esta ligação.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

ESTADO TOTALITÀRIO

Depois do ataque aos gatos e cães segue-se o ataque aos médicos que usam gravata! Este tinha-se disfarçado de médico mas nem assim se vai safar.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

NSA

Mas nem tudo é mau, valham-nos os nossos serviços de contra-espionagem, ele foi Holland, Rajoi, etc. e até, espante-se, Merkl mas de cá não conseguiram nada!

NAUFRÁGIO GERAL

O plano da classe dominante portuguesa, e não só, que intenta a destruição das estruturas do  aparelho de Estado considerando, na sua perspectiva ideológica de maximização dos seus lucros, que ele deve ser mínimo  tem vindo a destruir tudo o que imediatamente não dá lucro, nomeadamente a educação.Veja-se o que se passa com a pesca que, na repartição internacional por eles feita, foi  retirada aos portugueses,  na qual continua empenhadamente a liquidar o pouco que resta retirando aos pescadores a possibilidade de terem uma formação de qualidade o que os leva inevitavelmente à morte económica mas também física.  Exemplar; o que aconteceu quando o "presidente" de uma dita associação de defesa da vida no mar, à pergunta porque os pescadores da "Jesus dos Navegantes" não envergavam coletes de salvação ao sair de uma barra que o próprio reconhece difícil "por causa das obras" responde que " a Lei não obriga" como se a segurança no mar fosse uma mera emanação legislativa.

domingo, 27 de outubro de 2013

Passo a passo até à perda total de soberania

Embora a decisão final não tenha sido ainda tomada, o jornal Público anunciou, na passada semana, a intenção do governo de lançar dentro em breve, através do IGCP, uma emissão de dívida denominada em dólares para investidores que apenas investem nessa moeda.
Essa intenção foi aliás, substancialmente abordada nos roadshows realizados junto de investidores. 
Argumenta-se que este seria o próximo passo na estratégia de "regresso aos mercados" porque permitiria diversificar a base de investidores, nomeadamente fundos de investimento que possuem limites à aquisição de obrigações denominadas em moeda estrangeira.
Tal decisão merece o seguinte reparo: a sua concretização, para além de representar uma grande ignorância quanto ao que é um Estado soberano, representa uma grande falta de visão estratégica, comprometendo o sucesso da inevitável reestruturação da dívida pública.(ler mais)

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Programa cautelar

Chamam-lhe “seguro”, “programa cautelar”, “regresso aos mercados”, ”pós-troika”, etc. A ideia é simples. A União Europeia dotou-se de um fundo de 500 mil milhões de euros, o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), através do qual futuros resgates seriam financiados. Além disso, este fundo está disponível a apoiar o acesso dos Estados aos mercados através de compras directas ou em mercado secundário de títulos de dívida de cada Estado. A ideia por detrás deste mecanismo de apoio é garantir o financiamento dos Estados a taxas de juro consideradas razoáveis no mercado. Não adiantará a um investidor em dívida pública europeia exigir taxas de juro muito elevadas já que, nesse caso, o MEE actuará como substituto a taxas mais baixas. Na prática, esta é uma forma de mutualização da dívida. Contudo, tem vários senãos. O primeiro está na condicionalidade imposta aos Estados que necessitem de ajuda. Trocado por miúdos, os Estados europeus só acedem a este apoio em troca de memorando de compromisso. É o que já acontece em Espanha, onde a recapitalização da banca foi financiada por este fundo. Em Portugal, sabemos bem o que isso quer dizer: imposição cega de uma austeridade contraproducente. Recuperar soberania é uma miragem neste contexto. (ler mais)

O Botequim da Liberdade - Fernando Dacosta

Frases com 30 anos por Natália Correia no novo livro de Fernando Dacosta «O Botequim da Liberdade».

  • A nossa entrada (na CEE) vai provocar gravíssimos retrocessos no país, a Europa não é solidária com ninguém, explorar-nos-á miseravelmente como grande agiota que nunca deixou de ser. A sua vocação é ser colonialista.
  • Portugal vai entrar num tempo de subcultura, de retrocesso cultural, como toda a Europa, todo o Ocidente.
  • Mais de oitenta por cento do que fazemos não serve para nada. E ainda querem que trabalhemos mais. Para quê? Além disso, a produtividade hoje não depende já do esforço humano, mas da sofisticação tecnológica.
  • Os neoliberais vão tentar destruir os sistemas sociais existentes, sobretudo os dirigidos aos idosos. Só me espanta que perante esta realidade ainda haja pessoas a pôr gente neste desgraçado mundo e votos neste reaccionário centrão.
  • Há a cultura, a fé, o amor, a solidariedade. Que será, porém, de Portugal quando deixar de ter dirigentes que acreditem nestes valores?
  • As primeiras décadas do próximo milénio serão terríveis. Miséria, fome, corrupção, desemprego, violência, abater-se-ão aqui por muito tempo. A Comunidade Europeia vai ser um logro. O Serviço Nacional de Saúde, a maior conquista do 25 de Abril, e Estado Social e a independência nacional sofrerão gravíssimas rupturas. Abandonados, os idosos vão definhar, morrer, por falta de assistência e de comida. Espoliada, a classe média declinará, só haverá muito ricos e muito pobres. A indiferença que se observa ante, por exemplo, o desmoronar das cidades e o incêndio das florestas é uma antecipação disso, de outras derrocadas a vir.»


segunda-feira, 14 de outubro de 2013

INFERNO

 
Não vou falar de ilegalidades inconstitucionalidades ou ladroagem.
Ponto prévio; perdi a fé cerca dos quatorze anos mas nunca fui nem sou anticlerical ou anticatólico. Tenho total respeito pelas religiões que se reclamam do bem e crêem na vida eterna. Faço questão de estar presente em missas de tristeza ou de alegria. Conheço relativamente bem a Bíblia e a doutrina católica.
Dificilmente hoje nos admiramos das medidas deste governo mas esta do chefe de um partido que se reclama da democracia cristã ofender os mortos cortando-lhes nas pensões que deixaram  para os seus sobrevivos, para que contribuíram na esperança que os seus tivessem mais um amparo, quando ele/a lhes faltasse, tratando-os de igual modo que aos vivos, com sorrisos e hipocrisias, penso, mostra que estamos mesmo a bater no fundo.
Claro que eu sei que esta é mais uma manobra canhestra para desviar a atenção do corte de dez por cento nas pensões da CGA que aí é que se trata de milhares de milhões e não só de cem milhões, menos do que um jackpot do Euromilhões. Mas isto só agrava a coisa pois podiam obter o mesmo efeito económico cortando na pensão do sobrevivo. Contudo, não podem, assim os atingidos percebiam, mais facilmente, que são espoliados três vezes em vez das "só" duas que tocam, para já, aos restantes, CES e10% P.
Tenho pena de não acreditar que, algures, os mortos lhe estejam a preparar a recepção no Inferno com uma sessão de "iscas" utilizando, para "flacteques", exemplares cartonados da CRP. (E lá falei!)

Mudança de nome


O velho International Herald Tribune vai mudar de nome amanhã, mais uma vez. Chamar-se-á International New York Times. Ficamos À bout de soufle com tanta mudança.

domingo, 13 de outubro de 2013

NATÁLIA CORREIA "A BRUXA"

"O declínio de uma civilização reflete-se na maneira como trata o antigo, pessoas e edifícios...As primeiras décadas do próximo milénio serão terríveis...miséria, fome , corrupção, desemprego, violência, abater-se-ão aqui por muito tempo. A Comunidade Europeia vai ser um logro. O Serviço Nacional de Saúde, a maior conquista do 25 de Abril, o Estado Social e a independência nacional sofrerão gravíssimas rupturas. Abandonados, os idosos vão definhar, morrer, por falta de assistência e comida. A esperança média de vida cairá. Espoliada a classe média declinará, só haverá muito ricos e muito pobres." 1993

sábado, 12 de outubro de 2013

As Ilhas Encantadas, o filme!


Este assunto já foi tratado no nosso blogue em Março de 2006 (já lá vão mais de 7 anos) ... podem ver a "onda" respectiva AQUI. Mas, no seguimento do lançamento do (Per)Curso, voltei a lembrar-me desta tão "famosa" película (rodada, parcialmente, na Sagres em 1964, há quase 50 anos). As maravilhas da técnica permitem vê-la outra vez, desta feita através do YouTube. Quem nisso estiver interessado pode seguir esta ligação (os primeiros 15 minutos trazem boas memórias).