quarta-feira, 21 de novembro de 2012


Não conheço a ~Srª Isabel Jonet. Sei que dirige o Banco Alimentar e que a sua iniciativa tem ajudado  muita gente e que consegue reunir as boas vontades da nossa comunidade em prol dos que precisam para comer. Uma entrevista originou muita crítica. Não percebi. Mas agora fico ainda mais "desapontado" com esta crítica vinda de um padre..... e que deixo à vossa consideração.

Obviamente, demita-se!

Manifesto de um imaginário esquerdista ululante, presidente de um não menos imaginário Banco Alimentar a Favor da Fome

P. Gonçalo de Almada

«Subscrevo o abaixo-assinado contra a Pre¬sidente do Banco Alimentar Contra a Fome, pelas razões que passo a enumerar.

1 º. Por causa do seu nome. Isabel é nome de rainha e, pior ainda, de santa: duas inconveniências numa só palavra são de mais! Se assinasse qualquer nome, mais laico e republicano, era bem melhor. Ainda por cima, a sua santa homónima fez o milagre errado: não se pretende que os alimentos se convertam em rosas, mas estas em pão!
Se o nome próprio não ajuda, o apelido muito menos: Jonet! Soa francês e parece uma versão branqueada do execrável Junot! Não é aceitável que uma estrangeirada comande urna legião de voluntários que, periodicamente, nos assaltam à entrada dos supermercados. Os pobres precisam de francesinhas e não de afrancesadas!
2º. Porque é presidente de um banco, ou seja, é banqueira! Portanto, faz parte da oligarquia que explora os pobres. Já pensou na contradição de uma Sopa dos Pobres promovida pelo BPN?! Banqueira foi só uma, a do povo e mais nenhuma! E -lembre-se! - a D. Branca acabou na prisão! Nada de Banco, se não quer acabar no dos réus: essa entidade que ainda dirige tem que passar já a Sindicato Alimentar ou, se quiser, a Bitoque de Esquerda, porque é nosso o monopólio do social.

3°. Porque fez urnas declarações incríveis: foi à televisão dizer coisas sensatas e, pior ainda, verdadeiras! E se o governo dissesse a verdade sobre a crise, a oposição não prometesse o que sabe que não poderá dar e as centrais sindicais não aldrabassem sobre as adesões às greves?! Desculpe, mas com verdades e bom senso não se vai a lado nenhum! Não é para isso, nem para todos, a liberdade de pensamento e de expressão!

4°. Porque é contra a fome. Mas, se um banqueiro normal não pode ser contra o dinheiro, a presidente do banco alimentar não pode ser contra a fome! Até porque a fome é necessária. Como sabe, as revoluções fazem-se em jejum. Com a barriga farta, não há quem proteste! As suas sopinhas querem transformar a raiva proletária numa piedosa resignação cristã e, com tanto conformismo, fica o caldo entornado. Leia quanto antes Marx - não o Groucho! - e aprenda, de uma vez por todas, que é preciso exasperar a classe operária, para que seja carne para o canhão da revolução!

5°. Porque é católica, o que é um insulto para a laicidade das instituições sociais. Não sei se sabe, mas há muito que os pobres foram nacionalizados, antes até dos bancos: por sinal, porque raio o seu ainda o não foi?! Já não há pobrezinhos paroquiais: agora são todos do Estado, são todos do povo, são nossos. Esta foi uma das principais vitórias de Abril! Se a Igreja quer ter os seus próprios pobres, para promover bazares e canas tas de marquesas, que os arranje à sua custa, mas os pobres nacionais não pertencem a nenhuma religião, porque estão ao serviço das ambições políticas da esquerda! É que, se nos tira os pobres, que nos resta?! Se já nem ideologia temos ...
6°. Porque tàz caridade. Sabe porquê? Porque assim, depois de um lauto banquete, já não lhe dói a consciência por tcr comido à tripa forra, em uma hora, o que dava para alimentar, durante um mês, cem crianças. Mas a sua caridade é a mordaça da hipocrisia que sufoca, na garganta do pobre, o grito da justiça. Se quer solidariedade social, deixe de brincar à caridadezinha e pugne pelos direitos dos proletários. É verdade que o marxismo não encheu as barrigas dos explorados, mas encheu a esquerda de arrogância e superioridade moral, embora não saibamos bem ao certo o que é um necessitado, porque nunca vimos, nem servimos, nenhum. Concluindo e resumindo: demita-se! Bem sei que, se o fizer, o Banco Alimentar, as dezenas de seus trabalhadores, as centenas de voluntários, os milhares de dadores e os milhões de pobres a quem discreta c heroicamente serve, através de tantas instituições maioritariamente cristãs, ficarão a perder. Mas ganharia a sua imagem, refundada em termos politicamente correctos, e uma meia dúzia de sujeitos bem-pensantes, que nunca fizeram nada por quem tem fome. Já agora ... alimente esta ideia!»

[)omingo, 18 de Ncvembro 2012 


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

THE MAN

José Aparecido de Oliveira

O autor  do lema do nosso curso.

Embaixador do Brasil em Portugal e nosso grande Amigo , foi o verdadeiro criador e impulsionador da CPLP.
Depois de criada  trataram mal o Homem e esqueceram-no.

Mas nós cá estamos a relembrar


O passado não é o que passa, é o que vai ficando...

Curiosidades

Ao consultar os sumários do Diário da República, 2ª série C, de hoje, detectei o seguinte:

Nomeação/Designação, em regime de substituição, de 24 dirigentes para o Ministério da Economia e do Emprego - Instituto do Emprego e da Formação Profissional, I. P.

Designação, em regime de substituição, de 12 dirigentes intermédios de 1º grau para o Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território - Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária.

Designação, em regime de substituição, de 8 dirigentes para o cargo de direcção intermédia de 2º grau para o Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território - Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro. 

domingo, 18 de novembro de 2012

Torneio de Bridge

Realizou-se no sábado o Torneio de Bridge do CMN que foi desde sempre denominado de Torneio Cmdt Pereira Gonçalves, em homenagem ao nosso saudoso OCeano que infelizmente nos deixou e que foi figura de relevo no Bridge de competição, quer como competidor quer como juíz e como organizador.