quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Londres 2011

(Para ampliar, "clicar" na imagem)

E os JO, pá?


1923

Não concordo nem discordo do mais recente acordo ortográfico pois não tenho capacidade técnica sobre a matéria para poder emitir uma opinião abalizada. Julgo, no entanto, que era inevitável. Poderia ser menos polémico? Poderia ser mais claro e melhor explicado? Acho que sim. Eu, pelo que me toca, tenciono segui-lo e, por vezes, não compreendo muito bem as razões dos seus opositores que se limitam a críticas sobre a quebra de tradição/hábito que todos ganhamos quando aprendemos a ler e escrever na nossa meninice (já lá vão uns aninhos).
Para ilustrar esta minha posição vou socorrer-me de um livrinho de 1923, uma oitava edição do "A CIDADE E AS SERRAS" do Eça. Primeiro apenas um pormenor, a págs 17/18.

" ... Mas o telephone! o phonographo!
- Ahi tens tu, o phonographo! ... Só o phonographo, Zé Fernandes, me faz verdadeiramente sentir a minha superioridade de sêr pensante e me separa do bicho. Acredita, não ha senão a Cidade, Zé Fernandes, não ha senão a Cidade!".

No final do livro pode ler-se uma advertência que não resisto a colocar aqui:

"ADVERTENCIA
Desde a pagina 241, até o final, as provas d'este livro não foram revistas pelo auctor, arrebatado pela morte antes de haver dado a esta parte da sua escripta aquella ultima demão, em que habitualmente elle punha a diligencia mais perseverante e mais admiravelmente lucida.
Aquelle dos seus amigos e companheiro de lettras a quem foi confiado o trabalho delicado e piedoso de tocar no manuscripto posthumo de Eça de Queiroz, ao concluir o desempenho de tal missão, beija com o mais enternecido e saudoso respeito a mão, para todo o sempre immobilizada, que traçou estas paginas encantadoras: e faz votos por que a revisão de que se incumbiu não deslustre muito grosseiramente a immortal aureola com que ficará resplandecendo na litteratura portugueza este livro, em que o espirito do grande escriptor parece exhalar-se da vida n'um terno suspiro de doçura, de paz, e de puro amor á terra da sua patria."

Quando o JBR diz que escreve de acordo com a antiga ortografia, refere-se a qual? À do livro de 1923? Ou àquela que ele aprendeu em miúdo? Acho que os leitores de 1923, confrontados com a "nossa" ortografia, tiveram as mesmas objecções que hoje muitos de nós expressamos ... mas, daqui a 30 anos, o pessoal mais novo olhará para a actual ortografia com a mesma estranheza com que nós vemos a de 1923.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

NÃO



Contra o acordo ortográfico proponho divulgar incluindo nas nossas comunicações electrónicas esta imagem