sábado, 16 de outubro de 2010

Endoidaram

Fui agora mesmo incomodado por grande algazarra na rua. Sirenes e apitos, transito cortado. O que era? Uma caravana com o autocarro do Sporting a regressar do Estoril, onde tinha ido ganhar por uns míseros 2-1. Como se alguém se importasse com isso!
Ninguém faz contas aos custos desta fantasia?

Imaginação sem limites

Esta incrível máquina foi construída por colaboração entre o 'Robert M. Trammell Music Conservatory e Sharon Wick School of Engenharia da Universidade de Iowa'.
Noventa e sete por cento dos componentes são de equipamentos agrícolas das marcas" John Deere Industries e Irrigation Equipamentos de Bancroft". Foram necessárias 13.029 horas de trabalho entre 'set-up', alinhamento, calibragem e ajustes antes da realização do vídeo. Está em exibição no Matthew Gerhard Alumni Hall, na Universidade e está programado ser doada à 'Smithsonian Institution'.


video

Apreciem e divirtam-se.

Bom fim de semana.

Democracia.Opinião

Camarada e amigo Jorge o meu muito obrigado pela oportunidade que me deste de ler dois artigos de opinião no semanário de que pelos vistos és assíduo e regular leitor, o que não acontece comigo.

Os artigos estão bem estruturados, redigidos e apresentados. Porém, ‘todavia, contudo’,na minha modesta opinião de cidadão que tenta compreender e perceber o País e a sociedade a que por nascimento, identidade e cultura pertence, não aduzem, infelizmente, qualquer valor acrescentado à situação política, económica e social, progressivamente degradada e corrosiva da sociedade.

CFA refugia-se na enumeração de factos e obras literárias históricas para, de mistura com a enunciação de alguns lugares comuns, iludir a necessidade das ideologias e doutrinas para a análise e compreensão da complexidade da vida política, social e económica nos nossos dias e baralhar ainda mais a situação e as mentes. Como se não houvesse responsáveis e a culpa maior fosse, em exclusivo, da responsabilidade dos cidadãos. Não, não é assim, já que o Estado, enquanto tal, tem responsabilidades políticas, económicas e sociais para com o País. Os políticos que tiveram e têm o exercício do poder de Estado têm de assumir as suas responsabilidades perante a Nação e perante os cidadãos que neles acreditaram e, por isso, lhes outorgaram a sua confiança e endossaram o seu poder para a gestão da cousa pública.

O Comendador, também, em minha opinião, tem a mesma preocupação de CFA, se bem com outro tipo de retórica menos erudita e elaborada. Utiliza um estilo discursivo popular apelativo e ligeiro na apreciação da complexidade do actual momento nacional, escamoteando a importância das práticas governativas, deste e de outros governos, na apreciação prévia e, admito, politicamente especulativa, do ‘plano de viagem’ - OE2011 - em paralelo com o pouco que se vai conhecendo pelas declarações de membros do Governo, e do partido que o apoia, em público e na Assembleia da República.

No início da grande depressão dos anos trinta do século passado Keynes terá afirmado: "temos um problema no alternador". O sistema financeiro, componente importante para o funcionamento da economia, não funcionava. Keynes, também, terá afirmado “mergulhámos numa desordem colossal e cometemos erros crassos no controlo de uma máquina delicada cujo funcionamento não compreendemos”. As afirmações de Keynes não continuarão hoje válidas?

O livro de Paul Krugmam (Prémio Nobel da Economia 2008) – ‘O Regresso da Economia da Depressão e a Crise Actual’ – termina, e cito com a devida vénia: “... A verdadeira escassez no mundo de Keynes – e no nosso - não foi de recursos, nem sequer de virtude, mas sim de compreensão. No entanto, só alcançaremos a compreensão necessária se estivermos dispostos a reflectir lucidamente sobre os nossos problemas e seguir esses pensamentos aonde quer que nos conduzam. Algumas pessoas dizem que os nossos problemas económicos são estruturais, sem qualquer cura rápida disponível. Mas acredito pessoalmente que os principais obstáculos estruturais que impedem a prosperidade do mundo são doutrinas obsoletas que atravancam a mente da humanidade.”

PS: Estou seriamente quase convencido a contribuir para criar valor para os accionistas da Impresa, seguindo o teu exemplo de assíduo e regular consumidor do semanário em questão.

Óptimo fim de semana. Bem hajas. Até sempre

Um Abraço

Vale a Pena Ler o Expresso


Com a devida vénia, reproduzo os artigos publicados hoje na revista Única do Expresso, da autoria de Clara Ferreira Alves e do Comendador Marques de Correia.
Insisto no título desta comunicação: com autores destes vale a pena ler o Expresso.
Tenham um bom fim de semana!

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

PORTUGAL

Portugal na ONU e a Constituição da República de 2 de Abril de 1976

Portugal membro da ONU – 14 de Dezembro de 1955 (10 anos após a entrada da ONU em funcionamento – 24 de Outubro de 1945)

Só após a aprovação e entrada em vigor da Constituição da República de 1976, Portugal foi eleito para o desempenho de funções em órgãos da ONU:

Conselho de Segurança (membros não permanentes – 10): 1979-1980, 1997-1998 e 2011-2012

Assembleia-Geral (presidente na 50ª sessão): 1995-1996

Constituição da República de 2 de Abril de 1976 – Artº. 7º - Relações Internacionais:

http://www.portugal.gov.pt/pt/Documentos/Portugal_Documentos/CRP_Revisao2005.pdf

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Ainda o almoço de 12OUT2010


Do nosso fotógrafo oficial(izado), mais este excelente contributo para memória futura e inveja dos que não (puderam) comparecer (am).































terça-feira, 12 de outubro de 2010

Almoço OC (12Out10)

Após o interlúdio estival recomeçaram as actividades gastronómicas do OC. Segue uma pequena reportagem fotográfica para documentar o acontecimento.

domingo, 10 de outubro de 2010

O Paredão passou mal a noite

Hoje de manhã eram visíveis os estragos no Paredão de Cascais ... a noite foi de tormenta. Junto um pequeno apontamento. Espero que o comentário do JN sobre a Exposição Internacional de Escultura não tenha sido a causa da destruição de algumas das obras.