sábado, 11 de setembro de 2010

A propósito do texto do Raúl PL

Foi com imensa satisfação que li o excelente texto de 31 de Ago do Raúl PL. Pelo conteúdo e pela forma até dá gosto!. Raúl - estás a caminho de ser um escritor de sucesso.
Porque já passou mais de uma semana e porque a escrita no “blog” não tem tido grande actividade, tomo a liberdade de em vez de colar um comentário colocar mais um “post”
Este texto, que vem a propósito da questão dos hospitais militares, é, mais do que tudo, um verdadeiro grito sobre a “condição militar” que tem andado muito esquecida por ambos os lados. Para os políticos o que lhes interessa é que se respeitem as restrições dos militares. Para os Militares o que os tem preocupado são as remunerações. É certo que são importantes mas não é tudo para quem lhe é exigida a vida para defender a comunidade (curiosamente a Constituição dá como dever do militar defender a Républica enquanto ao normal cidadão defender a Pátria....Mas que me conste ninguem se atreve a propor uma alteração). E o que o Raúl aponta é, na realidade, aquilo que poderá de algum modo compensar quem nunca terá remuneração que pague o que se lhe exige. Não percebo porque é tão compreensível os bónus aos gestores públicos e é considerado desajustado aplicar algumas “mordomias” no âmbito da Condição Militar! O presente texto que bem poderia servir de guia para as Chefias Militares quando falarem com o poder político!

Mas passando á questão que é o tema do texto do Raúl algumas breves considerações:
1.Neste assunto, como em anteriores, o silêncio das Chefias é ensurdecedor. Tenho para mim que um Chefe tem que dar a cara pela sua corporação em público e não sómente, como eventualmente têm feito, nas audiências ou reuniões de gabinetes, o que os políticos muito agradecem. Ficamos, como escreve o Raúl, sem saber qual a sua posição e pior, e para a sociedade cívil é que tudo isto não passa de uma tentativa de manter previlégios.
2.Concordo plenamente com o que o Fernão comenta sobre quem tem interesse em que não haja FAs. Pena é, não terem coragem de o afirmarem publicamente. Afinal o 25 Abr nada alterou nas mentes e consciência desses senhores.
3.Assisti á parte final da reunião no CMN. Também me pareceu desajustada a decisão de pedir uma audiência ao MDN. Que lá fosse o CEMA, dando voz pública á sua corporação. Mas vi muito entusiasmo da assistência nessa linha de acção, que teve o desfecho espectável, mesmo para os politicamente incapazes como eu. Se eu fosse Ministro teria a mesma reacção escudando-me que quem me informa é o CEMA. E não se traga á baila que até antes do 25 Abr o Ministro da Marinha não recusou o diálogo! No contexto da época o MM era o gestor directo da corporação (respondia directamente ao Presidente do Conselho de Ministros e os Superintendentes dependiam dele).
4.E neste contexto, também não percebi porque um dos Almirantes da mesa da reunião, que com a sua longa experiência política, não terá contrariado a ideia!
5.Embora seja assunto paralelo, discordo quando o Raúl afirma que não deveria ter sido alterada a forma de escolha dos CEMs. Tenho para mim que o CEM deverá sair do grupo de Of Generais com 3 estrelas. Uma vez que para chegar a 3 estrelas é sempre através de escolha do Ramo, que tenham cuidado quem promovem.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Fazer o que ainda não foi feito

Confesso que sou lento a ler o Expresso. Só hoje, 5ª feira, cheguei à página n.º 22 do Expresso Economia do passado sábado, 4 de Setembro, e li, deleitado, o artigo acima, o qual reproduzo com a devida vénia.
O que é que ainda não foi feito? A redução dos salários dos funcionários públicos: uma redução de 10% permitiria, segundo o autor, reduzir a despesa em 2 mil milhões de euros por ano (o equivalente a, mais ou menos, quatro submarinos). Alternativamente, digo eu, reduzir o número de funcionários públicos a 90% do número actual (em todas as categorias, não apenas nas de salários mais baixos), alternativa que o autor não recomenda.

Quando falei nisto, ao almoço, a dois funcionários públicos (reformados) a reacção foi: coitadinhos dos funcionários públicos, que já sofrem tanto!

Isto é que vai uma crise!!

Recomendo a leitura crítica deste artigo.

Tenham um bom fim de semana!

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Já aí anda...

Olhando para o mar esta manhã, vi um navio esquisito a fundear em Cascais. Com aspecto de navio de guerra, mas alto, curto, sem armamento aparente. De repente fez-se luz no meu cérebro. Era um patrulhão que devia andar em provas, pois pouco depois seguiu viagem. Nem deu tempo a tirar uma fotografia...