quinta-feira, 30 de julho de 2009

Ribeira das Naus


Finalmente veio a público aquilo de que já se ouvia falar. O plano para a requalificação da Ribeira das Naus que, entre outros mimos, retira à Marinha todo o espaço exterior, obrigando-a a emparedar-se. Isto com o aplauso da dupla Costa e Salgado, que querem obrigar a Marinha a ceder tudo (o ideal era ir embora...). Curiosamente o arq. Salgado foi da Reserva Naval e prestou serviço nas Infraestruturas. Devia saber que sem circulação pelo o exterior não há comunicação entre as várias dependências do ministério. Ou talvez não devesse, visto que confessou numa entrevista que se baldava ao serviço sempre que podia...Pela fotografia publicada vê-se um lago no canto do Estado-Maior, onde era a Caldeirinha. Não me parece que um lago de água doce cheio de lixo possa ser uma boa evocação do passado, ainda por cima num local que faz falta para o serviço da Marinha. O problema da segurança e da possibilidade de colocar vedações é discutido com a displicência dos irresponsáveis...

Dizem depois que vão criar uma espécie de anfiteatro escavado na terra em forma de barco, a evocar o antigo estaleiro de construçaõ de naus que ali existiu!!! Santa ignorância. O que ali existiu foram carreiras de construção naval, bem altas para os navios escorregarem para o rio. Isto para um arquitecto deve ser um pormenor maçador. Mas ainda mais maçador será verificarem o que acontece quando se escava em terrenos sujeitos à acção das marés...

Para junto ao rio está projectada a chamada praia fluvial, imagine-se, para os utilizadores do costume. É curioso que deixaram construir o complexo de edifícios que está junto ao Cais do Sodré ocupando um espaço que agora querem roubar à Marinha.

Não há qualquer menção à doca seca e ao Arsenal, o que não deixa de ser curioso para quem tanto quer evocar o passado. Será que falar do Arsenal e da Marinha contraria a estratégia de expulsão?

domingo, 26 de julho de 2009

D.ANTÓNIO I REI DE PORTUGAL



A historigrafia oficial sempre de ...virado para leste continua a não reconhecê-lo como rei mas reinou de 1580 a 1583. Foi derrotado neste dia em 1583 nos Açores. São complexos como o de Olivença. Mas eles não se ficam e estão outra vez a manobrar para recuperar Gibraltar que foi dado enquanto Olivença foi gamado.
A idade não perdoa e já pareço o meu antigo chefe Pinheiro de Azevedo!