sábado, 2 de agosto de 2008

INENARRÁVEL


O que esta criatura disse sobre os Submarinos.
Cada governo tem os ministros que merece

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Outa vez o "Magalhães"

O cientista Nicholas Negroponte criou um computador resistente a tudo, água, pó, choque e recarregável por manípulo, com ligação à Web através de antena. Melhor, a bateria é recarregável pela mesma antena e pelo próprio ecrã. Esse computador é fornecido a todas as crianças de países em vias de desenvolvimento, tendo um custo de 50 dólares. A associação por ele criada visa levar o mundo e com o mundo a educação, a tudo e a todos. A Intel tem feito tudo para contornar este projecto, criando o compuatdor hoje apresentado pelo 1º ministro. Como é que não vejo uma única pergunta por parte da imprensa, sobre o porquê deste gigante da informática e não o pc desenvolvido por Negroponte? Porque é que ninguém questiona estes negócios? É esta sensação de conformismo dos media que me dá a impressão de que estamos todos a viver num limbo em que o governo e as suas centrais de comunicação nos meteram. A questão é meramente económia e política, pois então. Se existe no mercado um equipamento que provou em África, no Brasil, na Ásia, que funciona, porque é que ninguém questiona? Acho estranho que nem um jornalista tenha preparado uma pergunta para fazer ao 1º ministro sobre esta decisão.

(Jaime Dias) in Blog "Abrupto"

Formação de primeiras estrelas em computador



Simulação. Com computadores muito potentes e muitos cálculos, investigadores japoneses e dos Estados Unidos conseguiram simular pela primeira vez a formação das primeiras protoestrelas no universo, que deram depois origem às estrelas

Simulação mostra como pode ter funcionado esse processo

Há 13 mil milhões de anos, uma explosão - o famoso Big Bang - deu origem ao universo. Ou, pelo menos, é essa a ideia que hoje reúne mais consenso entre os cientistas sobre o começo de tudo. Mas como nasceram depois disso as estrelas? Como se formaram? Estas são perguntas para as quais não tem havido respostas concretas, apenas suposições e teorias. Mas um grupo de cientistas japoneses e americanos mostra agora, graças a uma simulação informática, como isso pode ter acontecido.

Com essa "demonstração", que já foi apelida de Pedra de Roseta Cósmica - acaba por funcionar como uma espécie de chave de leitura desse universo primordial - a equipa lança também as bases para a possibilidade novos estudos nesta área.

Publicado hoje na revista Science, o trabalho da equipa liderada por Naoki Yoshida, da universidade de Nagoya, no Japão, acaba por conseguir fazer uma descrição detalhada sobre a forma como poderiam ter-se formado proto-estrelas, ou seja, o estádio mais precoce de formação de uma estrela primordial, após o Big Bang.

Sabe-se que a composição do universo nessa fase inicial era muito diferente da que lhe conhecemos hoje, e que a física que então governava os elementos que os constituíam também.

Essa fase inicial tem mesmo sido designada como a "era das trevas cósmicas". Yoshida e os seus colegas americanos da universidade de Harvard conseguiram modelar num complexo programa computacional essas condições iniciais, das quais a certa altura emergiu um objecto capaz romper essa escuridão com a sua luz: uma proto-estrela.

A formação destas proto-estrelas é essencial também porque a explosão criaria as sementes necessárias para as estrelas se formassem a seguir.

Mas o que foi preciso acontecer, afinal, para que essas proto-estrelas emergissem das trevas?

No seu artigo, os investigadores descrevem a simulação feita e explicam que a força da gravidade actuou a certa altura sobre variações mínimas de densidade da matéria, dos gases e poeiras, e ainda sobre a misteriosa matéria escura que sempre lá esteve, até que a agregação dos gases e das poeiras (por força da gravidade) foi suficiente para gerar essas primeiras proto-estrelas, que não teriam mais do que um por cento da massa que tem por exemplo hoje o nosso Sol.

A simulação mostra também que estas proto-estrelas poderiam ter evoluído para objectos cada vez mais massivos, capazes também de produzir elas próprias elementos mais pesados, como fazem as estrelas de gerações seguintes.

A eventual explosão das proto-estrelas teria, por seu turno dado origem à matéria necessária para a formação de estrelas das gerações seguintes. "A abundância de elementos no universo foi aumentando à medida que as estrelas se foram formando e acumulando", explicou Lars Herquist, da universidade de Harvard e co-autor do artigo, citado pelo serviço noticioso de ciência Eurekalert.

Simular aqueles primeiros processos, como agora foi feito, vem juntar mais uma peça ao imenso puzzle que é a História do universo .E abre caminho novas simulações.
In DN de 01.08.2008

Lá por Fora






















Uma porta fechada é sempre um convite a desvendar segredos. Estas são de Cesky Krumlov, na República Checa. Recomendo (a cidade, que não a porta nem a grafia, aqui simplificada).

quinta-feira, 31 de julho de 2008

MENSAGEM DO PR

De todos os comentários que ouvi (o de Bettancourt Resendes é de quem anda distraído!!!) , gostei imenso de Joaquim Aguiar , que se apresenta em grande forma.
Quem ouviu a mensagem do PR e não é burro , sabe perfeitamente a importãncia imensa que ela teve.
Em linguagem da nossa caserna , no fundo , ela quiz dizer "Maquinas a ré , que isto não é da Joana".
E ainda bem que avisou esse pessoal que faz leis , a quem cabe uma carapuça tremenda, pois , e já não é a 1ª vez, que parece que nem leem o que votam.
Que vergonha.

Lá por fora


Para que não se diga que só restou aquilo de Dresden, aqui vai disto.
(Cortesia do Grupo Excursionista antes mencionado)

A crise deles


A Exxon Mobil anúnciou ter arrecadado no segundo trimestre deste ano 11.64 mil milhões de dólares, o que constitui o máximo de sempre de uma companhia americana. O lucro subiu, assim, 40% em relação ao trimestre homólogo do ano passado. Por sua vez, a Shell declarou ter tido um aumento de lucros de 33% apesar de a produção ter diminuido... Comentários para quê? Quem sabe é o Alberto João; ao menos desta vez acertou!

Acéfalos

Tudo à volta Magalhães* é mais do que ridículo, cheira mesmo a mentira. Desinformação total, como há muito não se via.

1. No comunicado oficial do governo diz-se: «será o primeiro computador portátil com acesso à Internet montado em Portugal». A sério? Então a JP Sá Couto não fabrica os portáteis Tsunami? E a Solbi e… O Pinho anda mal informado……

2. O dito «lançamento mundial» é uma treta. O computador existe e é comercializado desde 2006 sendo fabricado sob licença e vendido em mais de 30 países. Que seja criada um marca branca para os palops, compreende-se, mas porque se lhe dá patrocínio?

3. A Intel nem sequer escolheu Portugal para este «projecto». Foi o governo que escolheu a Intel.
Embora não se explique nem ninguém pergunte, porquê a Intel e não um qualquer outro seu concorrente? «Oh Cravinho, não dizes nada? »

4. Fábrica da Intel em Portugal? Não, diz o presidente da empresa.

5. Neste vídeo da RTP Rodrigues dos Santos faz uma bela peça de marketing.
Repare-se como ele apresenta os «criadores» e os «autores de desenvolvimento»….. De seguida, quando Sá Couto fala em produto da Intel, ele, oportunamente, interrompe e pergunta: «Quando diz que é da Intel quer dizer que não é 100% português?» Repararam na pergunta? Na verdade, se alguma dúvida houvesse é se o computador terá alguma coisa de português para além de ser montado em Matosinhos e ter um ou dois programas de software nacional.

E eles (jornalistas) comem tudo, eles comem tudo tudo, eles comem tudo o que se lhes dá. Leia o resto deste artigo »

Publicado por Gabriel Silva em 31.07.2008 no Blog" Blasfémias"


Magalhães - o mais escandaloso golpe de propaganda do ano


Os noticiários de ontem abriram com pompa e circunstância anunciando o lançamento do "Primeiro computador portátil português", o Magalhães.

A RTP refere que é "um projecto português produzido em Portugal"
A SIC refere que "um produto desenvolvido por empresas nacionais e pela Intel" e que a "concepção é portuguesa e foi desenvolvida no âmbito do Plano Tecnologico."

Na realidade, só com muito boa vontade é que o que foi dito e escrito é verdadeiro. O projecto não teve origem em Portugal, já existe desde 2006 e é da responsabilidade da Intel. Chama-se Classmate PC e é um laptop de baixo custo destinado ao terceiro mundo e já é vendido há muito tempo através da Amazon.

As notícias foram cuidadosamente feitas de forma a dar ideia que o Magalhães e algo de completamente novo e com origem em Portugal. Não é verdade. Felizmente, existem blogues atentos. Na imprensa escrita salvou-se, que eu tenha dado conta, a notícia do Portugal Diário:

"Tirando o nome, o logótipo e a capa exterior, tudo o resto é idêntico ao produto que a Intel tem estado a vender em várias partes do mundo desde 2006. Aliás, esta é já a segunda versão do produto."

Pelos vistos, o jornalista Filipe Caetano foi o único a fazer um trabalhinho de investigação em vez de reproduzir o comunicado de imprensa do Governo.
In Blog "Caldeirada de Neutrões"

Lá por fora




Apenas para desanuviar, que os ares andam turvos, um pormenor de Dresden, na Alemanha.
(Cortesia do Grupo Excursionista Aguilar & Grácio)

quarta-feira, 30 de julho de 2008

COM A DEVIDA VÉNIA

Não nos temos cansado de dizer – com o êxito a que já estamos habituados -, que tudo o que de importante se passa na nossa vizinha Espanha devia ser objecto do melhor estudo e atenção.
Mas como para a opinião pública se clama que entre nós e a Espanha já só há bom vento e melhor casamento – embora ali para o lado de lá de Jurumenha, haja quem não seja da mesma opinião … -, para quê perder tempo com preocupações que só têm cabimento em mentes obtusas que insistem em andar com o passo trocado com a História? Bom bom, é a gente derramar a vista numa lânguida praia mediterrânica bebendo uma caña e petiscando uma tapita.
A espanholada também vai nisto, mas entre eles há quem se preocupe em, por exemplo, ir reforçando o seu Poder Militar. Vamos tentar ilustrar com alguns exemplos.
Comecemos pela Marinha: por alturas de Abril foi lançado à água em, Ferrol (Galiza), um novo Porta Aviões e plataforma marítima, o Juan Carlos I, que só tem paralelo nos Marines americanos. Vai juntar-se ao “Príncipe das Astúrias”…
Construíram ainda nos mesmos estaleiros cinco fragatas da classe Álvaro de Bazan que incorporam a mais moderna tecnologia, incluindo a de defesa aérea “aegis”.
Construíram ainda dois modernos navios polivalentes logísticos, capazes de exercerem comando e controle, transportar tropas, navio hospital e reparação em alto mar.
Estão em vias de comprarem ainda 20 mísseis de cruzeiro “Tomawak” aos EUA, para o que é necessário obter autorização do Congresso.
Quanto à Força Aérea procederam à modernização (MLU -midle life update), das três esquadras de F18 (Torrejon, Saragoça e Las Palmas); dos Mirage F1 que têm em Albacete e já está operacional a primeira esquadra de Eurofighter (caça de última geração) em Moron, cuja construção partilham com a Inglaterra, a Itália e a Alemanha.
Num outro projecto em que participam, o avião de transporte estratégico Airbus 400M, verão a sua 1ª aeronave ser entregue em Junho, de um total de …17! O mesmo MLU foi também feito aos vários P3M (antisubmarina) que possuem.
Em Madrid existem dois centros de satélites a funcionar, um a ser operado pelos países da UE, que integram o programa e outro só por eles…
O Exército está a ser equipado com a última versão do carro de combate “Leopard”, que já é fabricado às dezenas em Sevilha. E já operam 30 UAVs – veículos armados não tripulados - de alta tecnologia fabricados também em Espanha e até produziram doutrina sobre o seu emprego.
Estamos a falar de exemplos…
Significativo é o facto de se registar um desenvolvimento exponencial das Indústrias de Defesa, que incorporam muita tecnologia de outras indústrias civis e que está apostada na exportação, como é o caso das fragatas. O governo espanhol tenta participar em tudo o que é projecto NATO e não só. Vai receber, em termos permanentes o TLP, Tactical Leadership Program, um importante centro de desenvolvimento de tácticas aéreas, que transitarão de Bélgica para a base de Albacete, já no próximo ano.
E tendo os EUA denunciado o acordo de Defesa com a Islândia, afirmando que cabe aos europeus garantir esse defesa, de imediato os espanhóis se ofereceram para tomarem conta da respectiva Defesa Aérea (a rodar entre outros países que também a querem fazer). No final deste esforço e neste momento possivelmente não haverá na Europa, país que se lhe possa igualar em capacidade militar clássica. E isto note-se, sendo público e notório a pouca simpatia que o PSOE e sobretudo o seu líder e Primeiro Ministro, José Luís Zapatero, nutrem pelas FAs; pelos graves problemas de recrutamento, da campanha anti militar existentes em muitos meios e ainda por em alguns pedaços da Espanha ( sobretudo o País Basco e a Catalunha) serem francamente hostis à presença de unidades militares.
E no meio disto tudo não deixa de ser curioso verificar o contencioso político com os EUA desde que o PSOE é governo o que levou Zapatero a nunca visitar aquele país e à descortesia de ter proibido o desfile de uma Companhia de Marines, no dia da Hispanidad (12/10) logo a seguir à sua primeira tomada de posse condescendendo apenas à presença do embaixador. E terem sofrido, mais tarde, o amargo de boca de verem os EUA oporem-se a uma candidatura do seu representante no Comité Militar da NATO, ao cargo do respectivo “chairman” (concorreu ainda o polaco e o italiano, ganhando este).
O Estado Espanhol diz abertamente que quer afirmar a Espanha como uma grande potência na Europa e no Mundo e as FAs fazem parte desta estratégia de afirmação. O que está certo.
O que já parece menos certo é que as capacidades militares que se estão a construir, se destinam às missões de Paz e Humanitárias em que estão muito empenhados, como também afirmam. É que tal ultrapassa em muito tal desiderato.
Convinha fazer algum estudo geo estratégico sobre todos estes assuntos, quanto mais não fosse para exercitarmos o intelecto…
Por sorte nossa ou inspiração divina, o actual primeiro ministro português, elegeu o seu homólogo espanhol como o seu melhor amigo.
Ficamos, assim, sossegados. E porreiros, pá.
João José Brandão Ferreira - TCor Pilav (Ref)
Um PS meu:Campeões de futebol , Campeões de hockey , Volta à França .......
No es broma no , Señor

Exclusividade na prestação de serviços médicos

MÉDICOS DE SAÚDE PÚBLICA ACEITAM EXCLUSIVIDADE

«O presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, Mário Durval, considerou que a proposta do Governo de obrigar médicos a trabalhar apenas nos serviços públicos "só peca por tardia". O bastonário da Ordem dos Médicos, Pedro Nunes, considera que a medida é inviável.

Em declarações à agência Lusa, Mário Durval salientou que "se deveria ter estimulado a dedicação exclusiva ao serviço público há muito tempo". Aquele dirigente reagia à notícia de que o Governo quer impor aos médicos dedicação exclusiva ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), sem possibilidade de opção por um regime de trabalho parcial, de acordo com o Correio da Manhã.» [Jornal de Notícias]

Subsídios cortados para a Missão de Fiscalização dos Novos Submarinos

Fiscais dos submarinos com subsídios cortados


MANUEL CARLOS FREIRE
Defesa. Portaria dos ministérios das Finanças, Negócios Estrangeiros e Defesa reduziu significativamente as condições salariais com que militares da Armada iniciaram, em 2004, a prolongada missão de acompanhar e fiscalizar o programa de construção dos dois novos submarinos

Valor do programa é superior a mil milhões de euros

Os militares destacados na Alemanha para acompanhar o programa de construção dos novos submarinos, que já conseguiram poupar "alguns milhões de euros" aos cofres do Estado, acabam de ver o seu estatuto remuneratório alterado a meio da missão.

Fontes militares disseram ao DN que a portaria governamental publicada no passado dia 01 deste mês, produzindo efeitos a partir dessa mesma data, alterou as regras a meio do jogo - os membros da missão passam a receber "ajudas de custo", de valor significativamente inferior ao montante que recebiam, o que está, asseguraram as fontes, a criar um sentimento de injustiça e de falta de reconhecimento em relação ao esforço e aos resultados desse trabalho (por passarem a receber menos que militares destacados em embaixadas no exterior e que fazem trabalhos de secretaria com responsabilidades reduzidas).

A chamada missão de construção dos submarinos (MCSUB) foi criada por portaria em Novembro de 2004, para acompanhar e fiscalizar o Programa Relativo à Aquisição de Submarinos (PRAS) para a Marinha - de valor superior a mil milhões de euros. Os seus membros foram nomeados ao abrigo do regime consagrado para o pessoal das missões militares junto das representações diplomáticas no estrangeiro.

Sendo também uma missão de longo prazo (nalguns casos até seis anos), implicou a ida de familiares para a cidade alemã de Kiel (onde se situam os estaleiros navais da HDW). O problema, segundo as fontes, é que o novo regime remuneratório torna inviável a estabilidade familiar de quem vai chegar ao fim do mês com "saldo negativo" e deverá ter de fazer a família regressar a Portugal.

Uma das fontes frisou que a portaria agora aprovada visou igualar a situação dos quadros da MCSUB aos dos envolvidos noutras missões de acompanhamento recentemente criadas, como a relativa às fragatas holandesas da classe M. E que, no caso dos efectivos destacados na Alemanha, estes até beneficiaram do atraso (ficando subentendido que ele foi propositado) na aplicação do novo regime de abonos. Recorde-se que este está em vigor desde o início deste ano. O facto, segundo outras fontes, é que as regras foram alteradas e podem levar alguns dos militares destacados na Alemanha a pedir o regresso antecipado a Portugal.

Recorde-se que o primeiro dos dois submarinos, o NRP Tridente, foi lançado à água no passado dia 15, em cerimónia a que não assistiu qualquer jornalista português.

Poupanças

Recorrente, nas palavras das fontes, é a preocupação com a alegada afectação na qualidade do trabalho até aqui produzido, devido ao desvio das atenções, do plano profissional para o familiar, por parte dos membros da MCSUB.

A título de exemplo, algumas fontes citaram várias situações em que "a motivação e o empenho" desses quadros permitiu ganhos significativos para o Estado português. Tendo presente que os estaleiros alemães - como qualquer empresa - procuram reduzir custos na construção dos dois submarinos, bem como o que uma fonte qualificou como "as ambiguidades" existentes no contrato de aquisição desses vasos de guerra, o resultado do trabalho dos marinheiros destacados em Kiel é mensurável de várias maneiras, frisaram as fontes.

Uma delas é financeira: os custos da integração dos torpedos foi reduzida em "cerca de nove milhões de euros", o investimento em equipamentos não incluídos no contrato que vão ser instalados nos submarinos, a renegociação das condições de instalação dos militares destacados para acções de formação permitiu poupar mais de cem mil "só este ano".

No plano técnico, a obtenção de documentos técnicos não previstos no contrato e que, entre outros aspectos, reforçam a autonomia da Marinha face aos estaleiros em termos de manutenção dos submarinos.

No dia a dia da sua actividade, os membros da MCSUB chegam a estar durante várias semanas na Noruega para a realização dos testes de mar. Segundo uma das fontes, o novo regime de ajudas de custo não muda com a ida para aquele país escandinavo, onde o custo de vida (leia-se alimentação) é superior ao alemão. Como o valor gasto nas refeições é depois descontado no ordenado, isso contribui para reduzir o valor do salário a receber ao fim do mês, adiantou a referida fonte.
In D.N. de 30/7/2008, páginas 16

Diálogos de Kafka. Hospital de Marinha

Eis-me em casa após o almoço e o telefone toca.
- Aqui Hospital de Marinha. O Sr Fernando Ponte está?
Camaradas, não me saltou a tampa porque, via os posts do Manel, já nada me surpreende vindo daqueles lados.
Respondi perguntando: É do Hospital de Marinha?
A menina, em tom decidido de profissional competente responde: Sim senhor, é do Hospital de Marinha.
Então humildemente perguntei: Se é do Hospital de Marinha porque não me trata por Comandante, que é o meu posto.
A menina calou uns instantes e depois deu ao Sr Comandante a informação que tinha a dar.
Cito Cícero: Até quando Catilina abusas tu da nossa paciência?

HÁ algo que me escapa

Não sou perito no assunto, mas há algo que me escapa.
Se esta minha duvida fôr um disparate , peço desde já desculpa.

Um cidadão , piloto amador , parte de Bragança para Coimbra, num avião monolugar , ou talvez de dois . Às tantas sente-se mal disposto e comunica o facto , pela rede atribuída de socorro.

A FAP dispara dois ,( 2 ), dois , aviões supersónicos F-16 para a reunião com a aeronave em apuros. Os pilotos vêm o outro piloto do avião civil e ligeiro , caído para um bordo , inconsciente , e com o aparelho a voar , previsivelmente , em "piloto automático".
E...vêm embora, parece que por falta de carburante.

Resultado. O avião ligeiro continua a sua caminhada em direção ao mar , felizmente não colide com nada e , provavelmente quando lhe falta o combustível cai ao mar , em sitio incerto. Só muito depois se descobrem os destroços e nada de corpo.

1-Porque mandam lebres para acompanhar tartarugas? E porquê logo 2?

2-Porque o avião , já sem controle , fica só , voando por aí , sujeito a colidir com outra aeronave?

3-Porque se desconhece o local da forçada amaragem?

4-......

5-.....


Não acham que a história está mal contada e falta qualquer coisa?

terça-feira, 29 de julho de 2008

Porque não te calas?

ASMIR

Embora não seja sócio da ASMIR (nem pretendo sê-lo), soube ontem que a lista onde se incluía o Rodrigues Baptista e o Augusto dos Santos venceu as eleições, por esmagadora maioria.
Encontrei hoje o Baptista, a quem dei os parabéns e desejei as maiores felicidades.
Aqui deixo iguais votos ao Joaquim.
Abraços

segunda-feira, 28 de julho de 2008

E VIVA A DEMOCRACIA!!!!!

A destruição de lavras e a expropriação arbitrária de terras, para a expansão de projectos diamantíferos no município do Cuango, província da Lunda-Norte, nordeste de Angola, está a causar uma vaga de fome e a gerar maior pobreza, de acordo com um novo relatório a ser lançado a 30 de Julho de 2008, em Luanda.
Elaborado pelo jornalista angolano Rafael Marques, o relatório, intitulado Angola: A Colheita da Fome nas Áreas Diamantíferas aborda, em particular, as actividades da Sociedade Mineira do Cuango (SMC). Esta é uma associação liderada pela ITM-Mining, empresa sedeada na Grã-Bretanha, em parceria com a empresa pública angolana Endiama e a Lumanhe, uma companhia privada formada por generais das Forças Armadas Angolanas (FAA).
A pesquisa, realizada em colaboração com uma rede de activistas locais, na vila de Cafunfo município do Cuango, demonstra como a SMC tem destruído as lavras à noite e sem aviso prévio. A empresa procede com medições arbitrárias das áreas de cultivo destruídas para determinar o valor a ser pago a cada camponês. Essa prática tem deixado milhares de pessoas à fome, enquanto a SMC expande a sua concessão. Em 2007, a SMC produziu 340.002 quilates de diamantes e, apesar da produção satisfatória, paga apenas US$ 0.25 (vinte e cinco cêntimos de dólar), equivalente a kzr 17.5 (dezassete kwanzas e 50 cêntimos), por metro quadrado de lavra destruída.
O relatório ilustra como o regime jurídico especial, que governa a indústria diamantífera, nas províncias da Lunda-Norte e Sul, efectivamente denega o exercício integral dos direitos de cidadania às populações camponesas locais, ao colocar os interesses comerciais das empresas mineiras acima do direito das comunidades rurais à terra e à subsistência.
A SMC ignora, como rotina, a Lei dos Diamantes, a Lei de Terras e seus respectivos regulamentos em cujas cláusulas se garante alguma protecção aos camponeses – exigindo, por exemplo, justa compensação pela terra expropriada. Os pagamentos efectuados pela SMC não reflectem o valor produtivo das terras que tem usurpado, e a empresa aparenta ter o privilégio da impunidade, apesar da ilegalidade dos seus actos.
O relatório urge, às empresas envolvidas, o início de negociações com as comunidades de camponeses, da região, com vista a estabelecer os mecanismos que assegurem o pagamento de compensações justas aos cidadãos que perdem o acesso às suas terras, como resultado da expansão das concessões diamantíferas. Ao Governo de Angola se exige a aplicação das leis e a garantia de que os camponeses da região usufruam de todos os seus direitos de cidadania

TELEVISÃO

Eu confesso que ainda não consegui perceber bem o que é aquilo do "serviço público".
As grandes discussões parlamentares , as intervenções do Presidente da Republica , as questões de Estado , .....vejo na SIC e ouço na TSF.
A RTP é um" aborto público " , que nada faz de público , salvo gastar dinheiro.
Tem agora 3 séries maravilhosas , 30 vezes melhores que as da concorrência , e que são "educação pública", mas transmite-as passa da meia noite.
Quanto interesse para todos nós , agora com a ignorância que grassa na juventude , ver "Os Tudor" , "Roma" . Mas como , se dá fora de hora , quase na clandestinidade?
Na hora dá idiotice que pretende ter graça e não tem , dá palermice que insulta o próximo , dá vergonha que não presta.
É como a RDP 2 , a antiga emissora clássica , que tanta gente fiabilizava com devoção. Agora já quase se não ouve música , mas só os habituais desempregados de opinião que por ali debitam

domingo, 27 de julho de 2008

As "barracas" do Marcelo.

Quando ouço este figurão da nossa praça vem-me sempre à memória o "doutor da mula ruça". Este conselheiro de Estado (!) e "comentador" encartado debita sobre tudo e sobre todos, dando notas a torto e a direito, usando o seu púlpito semanal (na televisão pública, à nossa custa) como rampa de lançamento para a sua futura candidatura à presidência da república. Já me tinha habituado à vacuidade, imprecisão, ligeireza e ambiguidade com que analisa alguns acontecimentos, por vezes complexos, sempre com ar sábio e definitivo, mas pensava que na sua área, o Direito, as suas "bocas" eram dignas de registo e estavam correctas na generalidade. Parece que me enganei. Hoje dei com este documento (na blogosfera), que vos convido a visitar, onde a sua sapiência, neste domínio, é também posta em causa. Um verdadeiro mimo!
Eis a frase introdutória do acima citado documento:
"Não me refiro obviamente à baixa política, na qual Marcelo não tem rival: no que é infinitamente pequeno ele demonstra toda a sua grandeza."
Vale a pena ler tudo e dar um saltinho às ligações lá indicadas.