sábado, 5 de julho de 2008

E NÓS PARADOS!!!! é à vela....

Os comandos militares das armadas de Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste querem deixar de ter marinhas de guerra "simbólicas", razão pela qual pretendem apostar no reforço da cooperação com Portugal e Brasil.O Brasil, representado no simpósio pelo comandante de operações navais, almirante Aurélio Ribeiro Silva Filho, já está em contato com Moçambique para estudar a possibilidade de cooperação militar.Muitos países de língua portuguesa sofrem com a falta de meios técnicos operacionais, de navios de vigilância e de fiscalização, de recursos humanos e de uma estratégia voltada para o mar, por onde passa, atualmente, 95% do comércio mundial.Nos casos de Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste, as Marinhas de Guerra "podem ser vistas como simbólicas".O ponto foi realçado pelo chefe do Estado-Maior da Marinha de Guerra de Moçambique, almirante Patrício Concuta Yotamu, que diz que os cerca de 3 mil quilômetros de costa do seu país são fiscalizados por "poucas embarcações" de "pequeno porte" e "reduzida autonomia".SegundoYotamu, em tempos de paz, "o mar tem efeitos negativos" que não devem ser ignorados, situação agravada em Moçambique pelas cíclicas catástrofes naturais e por fenômenos ilícitos, como o tráfico de seres humanos, armas e drogas."A situação é complicada e, apesar de pertencermos a um conjunto de organizações ligadas ao Mar e às Marinhas de Guerra, apenas participamos das reuniões, pois não temos meios para participar em ações de treinamento", sublinhou, lembrando, porém, estar em curso a formação de um batalhão de artilharia costeira em Moçambique.Se a situação em Moçambique é gritante, em São Tomé e Príncipe, cujas águas territoriais são cerca de 162 vezes maiores do que o arquipélago, o problema ganha ainda maiores contornos, sobretudo por se encontrar em pleno Golfo da Guiné, "zona de grande atividade de pirataria marítima", segundo o tenente Hamilton Nascimento Sousa, comandante da guarda costeira são-tomense.A guarda costeira são-tomense é, na verdade, uma força paramilitar subordinada ao Exército, já que o país não possui uma Marinha de Guerra. A força é formada por apenas 87 efetivos - 10 oficiais, 16 sargentos e 51 praças.Uma lancha, três semi-rígidos e dois botes infláveis são todos os meios dos quais dispõe a "Marinha" de São Tomé e Príncipe, não se prevendo alterações no horizonte próximo, "a menos que haja vontade política nesse sentido", acrescentou Hamilton Sousa.Em Timor Leste, a situação é ainda "mais gravosa", assinalou o capitão-de-fragata Donaciano Gomes, comandante da componente naval das Falintil - Forças de Defesa do Timor Leste (F-FDTL). Tal como São Tomé e Príncipe, o Timor Leste conta com apenas 87 homens para patrulhar uma área de cerca de 75 mil quilômetros quadrados (área quatro vezes superior à do território).Com apenas seis anos de existência, a esquadra timorense se limita a duas lanchas de patrulha doadas por Portugal, que não conseguem evitar perdas anuais de US$ 30 milhões a US$ 40 milhões pela pesca ilegal.Portugal, que apresentou também nesta quinta-feira sua intervenção no encontro, destacou a importância da Marinha de Guerra do país em operações militares, de manutenção de paz ou de interesse público.Segundo o comandante Novo Palma, chefe da Divisão de Planejamento da Armada, Portugal tem a seu cargo uma área marítima 63 vezes superior ao espaço terrestre, dispondo da frota naval e aérea "possível".Além das missões militares, em colaboração com organizações internacionais como a Otan, a Armada portuguesa também faz operações de combate à poluição, ao narcotráfico e ao terrorismo, além de busca e salvamento.Atualmente, a Marinha de Guerra portuguesa conta com cerca de 13.200 homens e é responsável pela maior parte da cooperação militar com CPLP depois do Brasil.O Timor Leste se colocou à disposição para acolher o próximo encontro das marinhas dos países lusófonos, em 2010.

outras notícias
Teto de estacionamento de shopping desaba em Portugal
Portugal manterá política branda de imigração, diz

VERGONHA

Felizmente está , outra vez , entre nós . Cidadã , livre , mulher. Como todo o ser humano tem direito a estar.
Mas há quem não pense assim. Há quem pense que deve haver seres humanos presos , refens , cativos , escravos.
E há gente que assim pensa que é paga por nós , Portugueses e contribuintes , e eu acho isso uma vergonha. Uma VERGONHA NACIONAL.
E aqui o digo. Os Senhores Deputados do PCP são uma vergonha do Parlamento , com a atitude hoje tomada em relação ao que se passa na Colômbia , e nomeadamente à libertação desta grande mártir.
Para mim o que disserem daqui para a frente sobre Liberdade e Direitos de cidadania é mentira.
Não os ouço mais.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Segurança e Defesa

Realizou-se hoje no Forte de S. Julião da Barra um colóquio subordinado ao tema "Reorganização da Segurança e Defesa Nacionais", organizado pela revista Segurança e Defesa . Subjacente ao colóquio estava o projecto de alteração da estrutura superior das Forças Armadas e do MDN, ordenado por resolução do Conselho de Ministros e que tanto tem dado que falar. De facto foi isso que se esteve a discutir, com os participantes empenhados em escalpelizar as questões em jogo. No final, entra sua excelência o MDN que resolve fazer uma douta prelecção, em que para além de defender a existência de um espaço de intercepção entre a segurança interna e segurança externa que justifica a participação militar neste domínio, veio justificar a criação de um Comando Operacional Conjunto com o 11 de Setembro, o terrorismo, a nova conjuntura internacional e a participação das forças portuguesas em muitas operações no exterior(!). Tudo isto com uma desenvoltura de um propagandista de gordura de réptil e aquela certeza típica de um professor de estratégia. Finalmente, com todo o descaramento, declarou que o projecto de lei da nova estrutura já estava pronto e ia ser entregue ao Governo! Então o que é que nós estivemos ali a fazer? Palhaços? Tudo isto cheirou a uma encenação preparada para ele fazer a solene declaração. No final os participantes estavam piursos com a criatura.

quinta-feira, 3 de julho de 2008

4th of July


1776 já vai longe

ET VOILÁ

Representantes das Marinhas dos Países da CPLP reúnem-se em Lisboa, para analisar os respectivos modelos e experiências, tendo como pano de fundo a cooperação no contexto internacional.
O simpósio, na Academia da Marinha, reune representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, e pretende também promover as relações de amizade e de solidariedade neste domínio.
Ao longo dos dois dias do evento, subordinado ao tema "O Papel das Marinhas no Actual Contexto Internacional", cada país apresentará a respectiva experiência de actuação.
O seminário conta também com a participação de destacadas personalidades do meio académico, ao abrigo de um protocolo existente entre a Marinha e o Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa.
Entre elas figuram Adriano Moreira, André Thomashausen, Marques Bessa, Borges Graça e o vice-almirante Lopo Cajarabille.
Entre os temas a abordar figuram "O Mar e a CPLP", "Interesses Marítimos e Direito Internacional na África Austral", "Geopolítica do Mar no Espaço Lusófono" e "Um Sistema de Informações Estratégicas Marítimas".
A sessão de abertura do simpósio é presidida pelo ministro da Defesa português, Severiano Teixeira, enquanto a de encerramento, está a cargo do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada.

A ver aviões...


Foi apresentado, com pompa e circunstância, em Sevilha o primeiro Airbus A-400M montado em Espanha. Os hermanos não só participam no programa, como conseguiram que a montagem do avião lá se fizesse. Nós por cá, tinhamos aderido inicialmente ao programa, mas quando entrou o Portas, decidiu que o que era bom era o C-130J e desistiu de participar no programa. E assim ficámos sem uma coisa nem outra, pois do tal C-130J não há vestígios.

Goya


Se forem a Madrid nas férias, não se esqueçam de ir ao Prado e ver o Goya e a Guerra.

COISAS BOAS


IMPERDÍVEL
A entrevista hoje , na SIC 5 , a Gomes Ferreira.
Mais que notável
http://sic.aeiou.pt/online/scripts/2007/videopopup2008.aspx?

quarta-feira, 2 de julho de 2008

AUSENCIAS de FERIAS

Caros Amigos e Camaradas
Dado que me vou ausentar e não poderei estar presente no último almoço antes das "férias" aqui deixo a todos e respectivos familiares o desejo de boas semanas de banhos e muita saúde.Atenção aos UV!
Um grande abraço
Jaime Montalvão

terça-feira, 1 de julho de 2008

Reencontros


Graças ao Dia Nacional da Croácia, tive o prazer de reencontrar e dar (e principalmente tomar) dois dedos de estimulante conversa com o nosso camarada Jacinto Rego de Almeida, do qual periodicamente vinha lendo algumas crónicas no JL. Está de volta ao país e viçoso. Espero que, agora aposentado, faça da escrita a sua principal actividade. Merecemo-lo.

domingo, 29 de junho de 2008

A Terra ao Mar se Anuncia

"Empurrado" pelo alm. Sacchetti, meti-me nesta outra estafeta dos faróis. Não pretendo fazer publicidade do assunto, tanto mais que não sou filatelista. No entanto, também não quero fazer caixinha. Devo esclarecer que não ganho nem mais um tostão se se venderem muitos. In medius est virtibus... O livro custa 45 euros. Se acham um exagero, nada como protestar junto do nosso ex-camarada Pedro Coelho, que é o vice-presidente dos CTT...
Nota especial: A qualidade da obra merece alguns valores...